InícioPortalBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Aprendiz de Água - Arya

Ir em baixo 
AutorMensagem
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Aprendiz de Água - Arya   Sex Nov 02, 2012 7:30 pm

Nome: Arya
Sexo: Femenino
Idade: 22
Nação/Cidade: Republic City
Elemento de dobra: Água

Atributos
|Força: 4
|Resistência: 3
|Agilidade: 3
|Chakra: (010/500)

Itens: Um cantil de água e um retrato dos pais.


Aparência física: Não muito alta. Cerca de 1,65. Olho azul extremamente claro. Magra. Cabelo preto, meio bagunçado, liso e na altura dos ombros, geralmente preso em um rabo-de-cavalo. Pele branca e lisa.

Características psicológicas: Extremamente teimosa. Não gosta de outras pessoas dizendo a ela o que fazer. Impaciente e orgulhosa. Mas quando ela gosta de alguém, faz de tudo para que essa pessoa fique feliz e segura.


Nome do pai: Lee
Nação/Cidade do pai: Tribo da Água do Norte
Nome da mãe: Não Identificado
Nação/Cidade da mãe: Não Identificado
Extras: Melhor amigo de nome James.

História:

Arya nasceu em uma área privilegiada de Republic City. Sempre foi uma criança muito amada por seu pai, porém ela não pode conhecer a mãe, pois esta havia morrido logo após o seu parto. Seu pai, Lee, logo quando ela era criança, mostrou que ela era uma dobradora de água assim como ele.
Arya nunca se deu muito bem com as outras pessoas, especialmente por causa do seu silêncio. Não falava o que estava sentindo para ninguém, apenas para o seu pai. Ela via Lee como um herói, um deus e o amava de todo coração. Porém, uma noite, quando ela já tinha ido para cama. Ouve um barulho vindo da sala, no mesmo instante ela corre para o cômodo dando de cara com um grupo de cinco homens encapuzados. O medo toma conta dela e a única coisa que ela consegue fazer antes que eles a pegassem é gritar “Papai!”, a última coisa que ela vê é o pai sendo arrastado do quarto.
Após ela acordar ela sente gotas geladas no seu rosto e percebe que era chuva, porém ela não estava na rua, ainda estava na sua casa, próximo a janela da sala. O corpo dela estava dolorido, sentia gosto de sangue na sua boca até que se lembrou do que havia acontecido, sua cabeça doía e não conseguia andar direito porém ela procura por seu pai em toda a casa. Até chegar ao quarto dele. Onde o vê deitado na cama, mas imóvel, completamente imóvel. Ao chegar perto percebe que não havia jeito. Não havia nada o que fazer, ela só conseguiu abraça-lo e chorar. Depois de algum tempo o pensamento veio à mente “Não posso ficar aqui, tenho que sair daqui o mais rápido possível.”. Vasculhou o quarto à procura de alguma arma para se defender e debaixo da cama encontrou um cantil com o símbolo da tribo da água. Colocou o cantil na sua cintura e andou em direção à porta, mas pisou em algo, parecia vidro e quando olhou para o chão viu que seu pé estava sangrando, porém quando Arya percebeu no que tinha pisado, lágrimas chegaram ao seus olhos, era uma foto dos seus pais ainda jovens. Enxugando as lágrimas levantou-se e virou para porta. Antes de sair olhou para trás e sem conseguir conter as lágrimas deu uma última olhada no herói da sua vida.
Durante dois dias ela apenas andou pelas ruas da cidade, sozinha com frio e com medo. Se perguntando por que aqueles homens haviam feito aquilo e sentia muita, muita saudade do seu pai, tanta saudade que ás vezes ela se tornava em dor física. À noite ela colocava a foto dos pais perto do peito, querendo que de alguma forma eles se materializassem ali e que a abraçassem.
Mas depois de algum tempo ela percebeu que ficar chorando só traria mais dor e faria com que ela morresse logo. E isso ela não podia permitir. Então decidiu que a partir daquele dia ela iria fazer com que seu pai, estivesse onde ele estivesse iria se orgulhar dela.
Durante um bom tempo ela andou de lixo em lixo procurando comida, caçou gatos pelas vielas da cidade, tudo para não morrer de fome. Encontrou pessoas nas ruas, antes rostos amigáveis, que viravam a cara assim que os olhares se cruzavam. Em uma noite Arya estava à procura de alimento atrás de um restaurante quando um grupo de meninos de rua a viu e resolveu que aquele não era o lugar dela, que eles eram donos daquele espaço. A única coisa que ela fez foi sorrir da forma mais amigável possível, antes de reparar numa poça d’água que estava próxima. Então concentrou toda sua energia em tudo que seu pai havia lhe dito e ensinado: “Use a água como sua arma, como uma extensão da sua alma”. Mas só se lembrava de três técnicas: jato, onda e chicote. Optou pelo chicote que era mais rápido. Quando o primeiro e maior dos garotos chegou mais perto, Arya fez o melhor movimento que pode e a única coisa que ela ouviu foi um estalo e quando percebeu o resto dos meninos havia ido embora e o maior estava no chão desacordado e com um ferimento na testa.
Quando percebeu o que podia fazer, Arya simplesmente não acreditava, e a partir desse dia tudo que ela conseguia pensar era em aprimorar sua habilidade, mas isso era impossível, já que ela não tinha como treinar.
Então um dia quando ela estava caminhando pelo parque da cidade, encontrou um senhor sendo perturbado por um garoto, ela percebeu que era um assalto e ao se aproximar viu que o garoto era daquele grupo que tentou ataca-la. Correu em direção a eles pegando o sei cantil e atirando um jato d’agua nas costas do menino que quando a reconheceu não pensou duas vezes e saiu correndo.
Um tanto ofegante, Arya senta no chão ao tentar recuperar o fôlego, então percebe que o senhor estava ao lado dela, ele fala:
- Muito obrigada menina. – e sorri amigavelmente para ela.
“Por que ele está sorrindo pra mim desse jeito? O que ele quer?” – Não me chame de menina, meu nome é Arya. – disse, no tom mais nervoso que conseguiu.
- Ora menina Arya, meu nome é James, muito obrigada pela sua ajuda.
- Não te ajudei, só estava me vingando daquele garoto. E já falei para você não me chamar de menina.
- Quantos anos tem Arya? Você não é muito nova para estar sozinha nesse lugar? Onde estão seus pais?
A menção dos pais fez Arya querer bater naquele homem, mas ela apenas olhou em outra direção e disse:
- Não estão aqui. Tenho 16 anos.
- Oh, entendo. Você é pequena para uma menina de 16 anos. E olhando bem pra você poderia dizer que está com fome. Não quer comer alguma coisa?
Arya poderia ouvir sua barriga roncando, mas não podia confiar naquele homem. Não podia confiar em ninguém.
- Não estou com fome.
Dessa vez a barriga dela roncou tão alto que até o homem chamado James ouviu.
- Então está bem. Mas tem uma lanchonete do outro lado da rua e eu realmente gostaria da companhia da minha salvadora.
Então foram os dois comer e começaram a conversar. Arya não estava disposta a trocar uma palavra com aquele desconhecido. Mas depois de algum tempo ela percebeu que podia confiar nele. E logo tornaram-se grandes amigos. Porém um dia James chega com um outro homem, alto e vestido de terno, Arya pensa em correr, mas sabe que ele não faria mal a ela. Então James chega perto dela e fala:
- Menina Arya, há muito tempo eu não tenho uma amizade como a sua, e sinto muita falta da minha filha, que como eu disse, morreu muito jovem, eu gostaria de saber se você não gostaria de ser minha filha.
Arya não sabia o que dizer, ela realmente olhava para James como um pai, mas mesmo assim estava confusa.
- Não pode ser meu pai, porque eu já tenho um. Mas ficaria muito feliz em te fazer companhia.
E então, algum tempo depois ela se muda para casa dele e vive feliz lá até completar 22 anos. Nunca tinha se sentido tão bem após a morte de seu pais, mas sabia que não podia viver ali para sempre. Tinha que aprimorar sua técnica, então decidiu que era a hora de partir e achar um mestre, mesmo que isso lhe partisse o coração.
Em uma noite, enquanto James já estava dormindo ela deixou um bilhete em cima do criado mudo dele, dizendo:
“James, eu não tenho palavras para agradecer por tudo que fez por mim. Estarei em dívida com você para sempre, sinto muito não poder te chamar de pai, mas você se tornou mais do que um amigo para mim, você tornou-se um irmão. Desculpa ter que te decepcionar, mas não posso ficar. Viva bem meu irmão. Te amarei sempre.”
E então ela sai à procura de seu mestre, apenas com o antigo cantil e a foto dos seus pais.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Airgirl
Fundadores
Fundadores
avatar

Mensagens : 520
Pontos : 638
Idade : 21
Data de inscrição : 21/09/2012

Ficha do personagem
Elemento de Dominação: Ar
Chakra:
30/500  (30/500)

MensagemAssunto: Re: Aprendiz de Água - Arya   Seg Nov 05, 2012 6:38 pm

Reprovada.


Adorei a história, ficou ótima. Mas você não colocou suas habilidades (dobras) e como as conseguiu.. e isso é realmente muito importante ao decorrer do jogo.

P.S: Edite o mais rápido que você puder para que eu possa lhe aprovar (:




Ficha. ||Moradia.||Conta.||Aparência (Cinny).

水 , 土 , 火 , 空気 - The element of freedom, air controls everything.



"Life is never dull in your dreams."
"Don't be scared to fly alone. Find a path that is your own. "


Ficha||Moradia||Conta||Aparência (Cinny)




I don't know if you know who you are until you lose who you are.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Aprendiz de Água - Arya
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: .: Area para Jogadores :. :: Inscrição para jogares/Fichas :: Fichas em Revisão-
Ir para: